As configurações de cookies neste site são definidas para que possamos dar-lhe a melhor experiência enquanto estiver aqui. Se desejar, você pode alterar as configurações de cookies a qualquer momento em seu navegador. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade.
Aceitar e fechar
 
 

Família Ulma, uma beatificação sem precedentes

Exterminada por esconder oito judeus, no dia 10 de setembro de 2023, a família Ulma será elevada às honras dos altares. Trata-se de uma novidade, do ponto de vista do processo canônico atual: toda uma família será beatificada, pais e filhos, inclusive o nascituro que a mãe trazia em seu ventre. Cardeal Semeraro: “Penso que este caso é semelhante ao dos Santos inocentes”.

Notícias da Igreja

01.09.2023 | 4 minutos de leitura

Família Ulma, uma beatificação sem precedentes

Emanuela Campanile – Cidade do Vaticano

A família Ulma foi uma centelha de luz nos anos sombrios da Segunda Guerra Mundial, mas era uma família como qualquer outra: o pai, Josef, trabalhava no campo e a mãe, Wiktoria, fazia os serviços de casa, além de cuidar de seis filhos e daquele que estava para nascer.

Evangelho nas pequenas coisas

 

Vivendo a quotidianidade na simplicidade, a família vivia e tornava vivo o Evangelho. A educação à fé, a oração comum em família, a leitura da Bíblia, faziam da família Ulma o que João Paulo II chamava de “Igreja doméstica”, aberta também aos mais necessitados. Naqueles anos, “os mais necessitados” eram, sobretudo, os judeus. A oito deles, a família abriu suas portas, ofereceu abrigo, comida e amizade, embora estivesse ciente do imenso risco que corria.

Um encontro inesperado

 

Para sabermos um pouco mais sobre a história da família Ulma, temos que voltar aos nossos dias, através das palavras de Manuela Tulli, jornalista da agência ANSA e autora, junto com o Padre Paweł Rytel-Andrianik, historiador e responsável do Programa Polonês de Vatican News - Rádio Vaticano, do livro: “Mataram até as Crianças: a família Ulma mártir que ajudou os judeus” (Edições Ares). Enviada à Ucrânia, para acompanhar as notícias da tragédia no coração da Europa, Manuela Tulli fez uma escala no sudeste da Polônia:

“Conheci a família Ulma por acaso. Trata-se de uma história que eu não escolhi, mas uma história que me escolheu. Muitas vezes nós, jornalistas, vamos à caça de histórias. Desta vez, porém, posso dizer que aconteceu o contrário. Na Polônia, vi em todos os lugares imagens, desenhos e fotos desta família numerosa, que viveu há mais de 80 anos. Sinceramente, eu nem sabia quem era, embora os poloneses quase que o presumiam. Porém, se sentiam felizes só em vê-los… estes dois pais tão jovens, já com tantos filhos pequenos. Enquanto estava lá, pensei na guerra de hoje e na guerra de ontem: pensei na amizade de hoje, pois, também hoje, os poloneses abriram as portas de suas casas para 2 milhões de refugiados. Não foram apenas os institutos e os conventos que deram hospitalidade; pensei na amizade de ontem, no fato de como esta família abriu as portas da sua pobre casa, de apenas dois quartos, a oito judeus.

Depois, antes de continuar minha viagem, o postulador da beatificação da família Ulma, ao me explicar o que os poloneses faziam pelos ucranianos, ofereceu-me um livro, pedindo-me para dedicar um pouco de tempo à sua leitura, a fim de conhecer melhor a família. Coloquei o livro na mala e parti para a Ucrânia. Quando regressei para a Itália, soube que o Papa havia decidido beatificar a família Ulma. Assim, procurei entender melhor a sua história”.

Os samaritanos de Markowa

 

Retomando o fio da meada sobre a família Ulma, na cidade de Markowa, entre as paredes de sua casa, encontramos a Bíblia da família - ainda conservada – na qual estava sublinhada a palavra "samaritano" e, à margem, uma anotação com a escrita "sim". Tratava-se de uma escolha consciente, uma vocação abraçada na simplicidade de uma vida, que permaneceu atuante e harmônica, apesar do período histórico do tempo, onde a violência, o ódio e a divisão tentavam impor sua desordem. Testemunho desta vida eram também as inúmeras fotos tiradas pelo chefe da família, Josef, fotógrafo amador, homem de talento e ativo na comunidade de Markowa.

O massacre

 

Depois, a denúncia, a traição e os nazistas, que invadiram a pequena casa da família Ulma, dando tiros em direção ao sótão, onde os amigos judeus estavam escondidos. Foi um massacre. Josef e Wiktoria foram arrastados para fora e fuzilados na presença de seus filhos. A mãe estava no sétimo mês de gravidez. Depois do pai e da mãe, foi a vez de seus filhos, que também foram “executados”. A casa deles foi incendiada. Era o dia 24 de março de 1944.